Meu Sonho Tem Nome – Parte Final

15
jul

Você deve associar-se a líderes que sonham. Você nunca terá sucesso com um líder que sonha menos que você, mas também você não terá êxito com um discípulo que sonhe mais que você. O processo é o mesmo. Se você tem um discípulo que sonha mais do que você, ele vai querer conquistar as nações e você vai dizer – fique quieto: Ele se cansará de você e buscará alçar novos voos. Para que isso não aconteça, você precisa sonhar os sonhos do coração de Deus. Sonhe! Se nosso sonho tem nome, nós temos que:

1.Falar do sonho que cremos: José publicava o sonho que tinha. O nome do seu sonho: COLHEITA. Feixes de trigo na mão de 12 irmãos. Você precisa declarar seus sonhos. Qual o nome do seu sonho? Colheita.

Nasceu José, por isso o seu nome é colheita. Deus o tirou do vexame, Deus removeu a vergonha, o seu Pai lhe fez fecundo. Nasceu José. O Senhor lhe deu um sonho, e o nome desse sonho é colheita.

2.Dar-mos palavras ao sonho: O sonho precisa ter palavras, clareza, de forma que, ao ser contado, seja compreendido. O sonho deve ter uma palavra rhema, deve ser legitimo e visível. Dê uma palavra ao seu sonho, dêlhe vida espiritual. Não permita que o sonho seja desperdiçado por falta de compreensão.

Haverá pessoas que desejarão interpretar o seu sonho, mas outras farão a leitura correta. Seus irmãos precisam ler, ouvir e entender o seu sonho de forma que não haja dúvida. Deixe o seu sonho na mão de Deus. O nome desse sonho é colheita. Não deixe de sonhar.

3.Vencermos a perseguição: Vencer a perseguição é tarefa para sonhador. José venceu a dificuldade da casa de seu pai, conquistou o coração do líder. Conquiste o coração do líder. Temos prazer em viver com pessoas que nós amamos. José amava o pai e o pai amava José.

Certa vez Jacó mandou que José fosse até os seus irmãos que estavam apascentando os rebanhos, perto de Siquém. E, no trajeto, José passou por caminhos de feras, mas elas não lhe tocaram. José chegou em Siquém, o lugar do desprezo, mas não encontrou nenhum de seus irmãos.

Porém, José encontrou um homem do deserto que lhe disse: eu sei onde os seus irmãos estão. Esse homem era a figura de Yeshua, o Homem que nos socorre no deserto, Aquele que não permite que sejamos tragados. José sai de Siquém para Dotã, chamada a rota do gigante, um caminho extremamente difícil só para cumprir a palavra do pai. Se José fosse maledicente e gostasse de criar contendas, ele teria voltado e dito ao pai que os irmãos não estavam onde o pai disse que estariam. Mas não foi isso que ele fez. Ele se arriscou e se expôs por amor ao pai; ele entendia que valia a pena se esforçar por um pai que o amava.

José enfrentou as feras e as venceu; enfrentou os gigantes e os venceu; enfrentou o desprezo e o venceu. Por que José passou por tudo isso e venceu? Porque estava vestido com a túnica. Quando ele caminhou pelas rotas perigosas, estava com a túnica, estava vestido de autoridade e de unção. Os irmãos de José o viram de longe, porque ele estava vestido com a túnica de 12 cores, representando o governo das 12 tribos e de longe o reconheceram e disseram: lá vem o sonhador. O que denunciou José foi a unção. Onde você estiver, a unção lhe respalda.

Ninguém pode roubar a sua túnica. A túnica de José havia sido costurada por seu pai. A túnica é sob medida, feita exclusivamente para alguém. Há uma unção sobre você que não será concorrida nunca. O que você precisa é respeitar a unção que Deus lhe deu, então você vencerá as dificuldades da casa do pai, os caminhos das feras, a rota dos gigantes, o lugar do desprezo. Além disso, diante dos seus irmãos, a unção não pode ser negociada e nem roubada. Nenhum de nós poderá andar com a túnica emprestada; ela deve ser original.

Os irmãos de José disputaram sua túnica, arrancaram-na e deixaram-no nu. É exatamente isso que os inimigos querem fazer ainda que aparentemente tenham características de irmãos. Eles querem nos deixar nus. A nudez em Israel era considerada uma afronta, uma vergonha sem tamanho. Eles disputaram a túnica de José e descobriram que não cabia em nenhum deles. Então, decidiram enganar o pai, dizendo que uma fera havia matado José. Ainda que alguém queira roubar a sua túnica e inventar tudo o que quiserem a seu respeito, não prevalecerá. É Deus quem dá a túnica e se alguém tentar manchá-la, Ele restitui. Foi o que aconteceu com José.

José venceu o caminho de Dotã ao Egito. José foi vendido ao Egito como um sinal de que sempre haverá alguém com a intenção de negociar os nossos sonhos. Não sabendo que tudo isso é um empurrão para o propósito. É ali que o seu sonho será realizado, concretizado, pois o diabo não ganha de Deus nunca. Quando José chegou ao Egito, ele recebeu uma outra túnica das mãos de Potifar. Mas, a túnica de Potifar não é a túnica do pai. Potifar não pode dar a ninguém uma túnica que somente o pai pode fazer. José se cobriu com a roupa de Potifar e cobriu a sua nudez. Então, veio a mulher de Potifar, arrancou a roupa de José e ele, mais uma vez, teve a sua nudez descoberta. Entretanto, ele manteve a sua santidade e não abriu mão da verdade. Um sonho só pode ser conquistado se na hora da perseguição você mantém a santidade. Quem não consegue manter a santidade, negocia o sonho. José, mesmo diante da guerra, com uma outra túnica, não se rendeu e não se entregou à mulher de Potifar.

Sem santidade, não há sonhos conquistados. Por causa da verdade, ele foi para a masmorra, mas mesmo assim, manteve o sonho vivo dentro de uma cadeia. Você pode prender uma pessoa, mas não consegue prender um sonho. Pergunte-se: cadeia é lugar de descobrir um sonhador? Cadeia é lugar de humilhação, vexame, desonra, infertilidade, penúria. Como uma pessoa presa pode lembrar do seu sonho? O diabo quis colocar José em uma cadeia, mas esse lugar transformou-se no topo do seu sonho. Faraó teve um sonho, mas nenhum de seus feiticeiros podia interpretá-lo. Sonho de Deus não pode ser interpretado por feiticeiros, por homens comuns, somente por homens de Deus. Faraó, então, foi informado que na cadeia havia um interpretador de sonhos, um sonhador e mandou chamar a José. Ele interpretou todo o sonho e disse a Faraó que o sonho representava colheita (Gênesis 40:14-57). Cuidado com os seus sonhos. Muitas vezes temos sonhos que nem queremos lembrar e pode ser Deus falando conosco acerca de uma grande colheita, uma colheita espetacular. Nós temos um sonho: COLHEITA.

A túnica do nobre estava sobre José. A túnica que Deus deu a José foi a túnica da fidelidade de um sonho. O Senhor o vestiu de uma nova túnica, José passou a ser chefe de Potifar e de sua mulher. Ele se tornou o homem de confiança de Faraó. Ele saiu de uma masmorra e se tornou governador do Egito. O sonhador foi o administrador da colheita. Ele não colocou nas mãos de terceiros. Ele assumiu o seu sonho. Se o seu sonho não for assumido, sua colheita será inibida. Você não pode reinar com a túnica de Potifar. Ainda que tenham lhe deixado desnudo, o Senhor deu vestes novas a José. A nova túnica de José não veio das mãos de um pai físico, mas veio das mãos do Senhor. Não há provação que nos arranque do amor do Pai. O Senhor está-nos dando túnicas novas, e o cálice da direção. Quando os irmãos chegaram diante de José para pedir-lhe ajuda, tiveram que se prostrar diante dele. E José perguntou pelo pai e alimentou seus irmãos. Cumpriu-se o primeiro sonho. Depois, os irmãos de José descobriram que na boca do pacote de Benjamim estava o cálice. Cálice representa destino. E foram obrigados a trazer Jacó para que José pudesse vê-lo. E ele se deu a conhecer aos seus irmãos e ao seu pai.

Diante das provas, não desista dos seus sonhos. Um dia chegará o tempo da concretização do sonho, porque não há como atar uma colheita. O Senhor lhe diz que nasceu José. Ele lhe tira da vergonha, vexame e lhe faz fecundo e frutífero. Você verá os campos brancos para a ceifa. Deus está dando-lhe uma túnica nova para que todos os seus sonhos sejam ressuscitados e você experimente uma colheita que não poderá ser medida. Deus está restaurando o seu sonho, pois o nome do seu sonho é COLHEITA.

Deixe um comentário